Somos apaixonados por tecnologia, inovação e pessoas.

Nossas soluções

Somos apaixonados por tecnologia, inovação e pessoas

Sistema de gestão integrado para planos de saúde

Autorização prévia por Inteligência Artificial

Plataforma de telessaúde

Estamos em todo o Brasil

Transformamos o acesso à saúde de mais de um milhão de pessoas, por meio da inovação e da expertise em Inteligência Artificial aplicada.

Nossa maior força são as pessoas

Trilhamos uma jornada de ruptura e acreditamos que somos mais fortes com pessoas que compartilham esse sonho com a gente. Se você se identificou e quer contribuir com a revolução no setor da saúde, acesse nossas vagas e candidate-se!

Conteúdos para você

Saiba como tecnologia e inovação são grandes aliadas do setor de saúde acessando o blog da Maida

Allana Peixoto|
11/01/2022

A transformação digital na saúde é uma necessidade nos dias atuais, devido à grande demanda por serviços e à evolução dos recursos tecnológicos, que se aprimoram gradativamente.

As possibilidades estão chegando em uma velocidade fantástica, demandando conhecimentos técnicos e científicos, além da avaliação da aplicabilidade, uma vez que investimentos financeiros significativos são envolvidos.

Um fato é notável: a transformação digital na saúde veio para agregar e será cada dia mais apropriada. Portanto, é inevitável a sua inserção, até mesmo em instituições clínicas de pequeno porte.

Nesse cenário, a cada dia, novos dispositivos são lançados e tendências são aprimoradas, sempre em busca do bem-estar do paciente, reduzindo intervenções desnecessárias e aumentando a qualidade de vida.

Então, é preciso conhecer as principais tendências, quais as indicações plausíveis, os benefícios esperados e as perspectivas que as próximas ferramentas proporcionarão aos pacientes.

Quer saber mais sobre as principais tendências da transformação digital na saúde? Então, fique por aqui e descubra!

1. Assistente virtual

A assistência virtual na área da saúde tem se tornado uma grande oportunidade para a expansão dos negócios, principalmente pela diversidade de tarefas que podem ser delegadas por essa modalidade.

Trata-se de um modelo virtual para a execução de serviços de menor complexidade, tais como agendamento e cancelamento de consultas e marcação de exames e procedimentos, tudo por meio do atendimento virtual ao paciente.

A assistência virtual, desde que formalizada em linguagem amigável e objetiva, aumenta a eficiência das rotinas em prol de uma organização mais coerente e facilitadora para os colaboradores.

A partir dessa ferramenta, também será possível fazer um levantamento das atividades realizadas e gerar relatórios eficientes para direcionar as ações dos gestores e dos profissionais de saúde envolvidos.

Contudo, já se vislumbra também a inserção da assistência virtual para a triagem de pacientes, considerando os sinais e os sintomas relatados por eles, otimizando significativamente o fluxo de trabalho.

2. Telemedicina

Essa é uma proposta contemplada dentro da telessaúde, que tem como objetivo aproximar as distâncias por meio de recursos tecnológicos, facilitando a assistência e o diagnóstico do paciente.

Ainda é considerada uma prática recente, porém bastante inovadora, agregando diversos serviços e fornecendo diagnósticos mais precisos e confiáveis aos profissionais de saúde, reduzindo as intervenções desnecessárias.

Pelos recursos da telemedicina, é plausível identificar um agravo ainda no estágio inicial, discutir casos clínicos com especialistas por meio de plataformas virtuais e trocar experiências em tempo real.

Nesse sentido, além de viabilizar uma teleconsulta, a telemedicina ajuda na capacitação de profissionais clínicos, na medida em que promove videoconferências e discussões de casos com diversos especialistas.

Por meio das capacitações viabilizadas pela telemedicina, um profissional de saúde acompanhará uma cirurgia por videoconferência, por exemplo, algo impensado em décadas passadas, direcionando suas condutas clínicas a partir de estudos mais atualizados.

Ademais, a telemedicina proporciona a redução de custos quando comparada aos consultórios presenciais, aumenta a capacidade de atendimento para além do horário comercial e, ainda, possibilita uma relação terapêutica humanizada.

3. Automação de processos

A substituição de serviços manuais por atividades automatizadas é uma realidade em muitos nichos clínicos, especialmente em laboratórios patológicos, de radiologia e outros que já emitem laudos online.

Com isso, atividades operacionais repetitivas, que geravam uma grande quantidade de erros, foram eliminadas do contexto clínico. Assim, é possível diminuir a incidência de resultados falso-positivos ou falso-negativos e, consequentemente, a percepção desfavorável do estabelecimento.

Também é notório a execução de atividades de forma mais rápida e segura, até mesmo em cirurgias, em que a precisão é notadamente requerida, e os movimentos de coordenação motora fina dos profissionais de saúde são passíveis de erros.

Ainda, existem diversas demandas para a automatização dos processos, principalmente na medicina diagnóstica, trazendo oportunidades de trabalho para vários profissionais de saúde, que podem atuar de forma remota.

Apesar de muitos questionarem negativamente o uso de máquinas para substituir a execução de serviços humanos rotineiros, observa-se que a grande maioria dos gestores optam pela automatização no sentido de aproveitar a força de trabalho para outras necessidades não atendidas.

4. Big Data

A ferramenta do Big Data constitui-se em uma plataforma capaz de receber diversos dados clínicos, medicamentosos, laboratoriais, entre outros, podendo analisar variáveis a partir de um contexto panorâmico.

Dessa maneira, e com a ajuda de um estatístico, é possível identificar o perfil de adoecimento de uma população, avaliar os principais medicamentos usados, demonstrar a efetividade de uma estratégia terapêutica, entre outras questões.

Com a ferramenta do Big Data, pode-se também estabelecer um perfil de paciente a partir da integração de dados e direcionar ações terapêuticas personalizadas e coletivas de forma a garantir o bem-estar da comunidade.

Ainda, é viável gerar um compilado sobre o uso de medicamentos oncológicos, a fim de verificar se está ocorrendo a dispensação e a utilização conforme os protocolos clínicos e quais são os custos por paciente.

A partir dessas análises, os gestores tomarão ações para prevenir, intervir ou melhorar a condição de saúde de um paciente, considerando também o perfil socioeconômico e outras variáveis de interesse.

 5. Inteligência Artificial

Imagine entrar em um hospital e ser recebido por um robô que fará perguntas para avaliar a necessidade de internação ou de procurar outros serviços de referência? Isso já é realidade em alguns hospitais dos Estados Unidos.

Também é possível que um robô monitore os parâmetros fisiológicos do paciente e encaminhe um alerta para o médico responsável, que chegará em poucos minutos para iniciar os procedimentos adequados.

Os custos de implantação aparentemente são elevados, mas serão compensados em longo prazo a partir da redução de eventos adversos que serão precocemente detectados, como administração incorreta de medicamentos, técnica inapropriada, entre outros.

A comunicação com robôs é uma grande tendência mundial, principalmente devido às mudanças no perfil epidemiológico e nosológico da atualidade, o que demandará mais serviços dessa magnitude.

Tudo isso e muito mais são propostas da Inteligência Artificial para assistir pacientes nos diversos níveis de atenção à saúde, a fim de melhorar as condutas clínicas existentes a partir de recursos tecnológicos.

6. Wearable device

O termo em inglês significa, em tradução literal, “algo vestível". Então, qualquer dispositivo que atue nesse sentido está enquadrado nesse grupo, tais como os relógios inteligentes e os medicamentos tecnológicos.

Os relógios inteligentes monitoram parâmetros fisiológicos, como os batimentos cardíacos, a taxa de oxigenação, a pressão arterial, os níveis de glicemia, entre outros. Já os medicamentos são liberados gradativamente para exercerem efeitos terapêuticos, evitando a sobredosagem.

Além de facilitar o monitoramento das condições crônicas, eles também alertam os pacientes em casos de esforços demasiados durante a prática de atividades físicas ou na ocasião de ingestão calórica excessiva.

As vantagens incluem a redução no encaminhamento às unidades hospitalares, mais controle do próprio corpo, em um processo denominado de autogerenciamento da saúde, e identificação precoce de complicações.

Ademais, com as técnicas de comunicação em tempo real, um paciente com dúvidas, a partir dos resultados gerados por esses dispositivos, fará contato com um profissional, que orientará sobre as condutas necessárias.

7. Internet das Coisas

A Internet das Coisas, ou IoT, trata-se de um conjunto de procedimentos com o propósito de facilitar as atividades do cotidiano, sendo facilmente aplicável em todos os contextos. Inclusive, na área da saúde, a Internet das Coisas tem se mostrado bastante eficaz.

Diversos exemplos são aplicáveis dentro da concepção de IoT em saúde: teleconsulta para monitoramento de doenças crônicas, telestroke, utilização de relógios inteligentes etc.

Os benefícios são inesgotáveis e dependerão de cada atividade, destacando aqueles relacionados à redução de custos operacionais, ao empoderamento do paciente, à facilidade no compartilhamento de dados, entre outros.

Em longo prazo, haverá maior demanda de atuação nas atividades clínicas preventivas e protetivas, trazendo vantagens para o paciente e para o sistema de saúde. E, para as atividades curativas, esperam-se condutas efetivas e mais seguras.

Nesse contexto, a expectativa de vida se eleva. Além disso, os indivíduos ficam mais saudáveis e atentos ao monitoramento das suas condições clínicas.

8. Machine learning

O aprendizado das máquinas é algo tangível nos dias de hoje. Elas compilam e analisam dados clínicos, medicamentosos e laboratoriais, propondo um modelo de probabilidade e previsibilidade de um acontecimento em saúde para o paciente.

Isso significa dizer que o produto final gerado poderá predizer, a partir de estudos clínicos já realizados e de técnicas estatísticas diferenciadas, qual é o prognóstico do paciente e quais medidas terapêuticas serão mais efetivas.

Obviamente que se trata de um levantamento clínico que deve ser analisado com cautela, além de ser discutido com o paciente. No entanto, a acurácia dos resultados é diferenciada em comparação ao quantitativo de estudos que o profissional de saúde consegue absorver em um determinado período.

Nesse sentido, subentende-se que um cenário mais amplo, considerando estudos clínicos com qualidade metodológica diferenciada, trará confiabilidade ao resultado final, em vez de se ater apenas a pesquisas isoladas.

Sendo assim, considerando a aplicabilidade do machine learning para o diagnóstico e a terapêutica das doenças, esperam-se grandes avanços, que possibilitarão tratamentos menos agressivos e por menor tempo.

9. Computação em nuvem

Devido ao grande volume de dados em saúde obtidos simultaneamente e à necessidade de resgatar o histórico do paciente, observou-se que os softwares não suportariam essas informações.

O volume gigantesco de dados dentro de um computador não permitiria a funcionalidade das ferramentas em níveis mínimos, o que atrasaria a rotina das instituições de saúde.

Diante disso, uma das alternativas aplicadas nos dias de hoje é a disponibilização de informações clínicas, medicamentosas, radiológicas e laboratoriais na nuvem, otimizando o fluxo das rotinas.

Destaca-se que a disponibilização de dados pessoais na nuvem pressupõe diversos mecanismos de segurança digital para evitar o compartilhamento com pessoas não autorizadas, o que garante a confiabilidade desses processos.

Com a devida autorização, é possível acessar informações clínicas personalizadas disponíveis na nuvem de qualquer computador, editar textos e fazer compartilhamentos com as partes interessadas.

10. Sistema integrado

Antigamente, quando o paciente chegava ao consultório médico, era feita uma solicitação para a realização de exames laboratoriais e de procedimentos.

A partir daí começava a saga do paciente para solicitar uma autorização da operadora do plano de saúde, o que na maioria das vezes perdurava por muito tempo e atrasava todo o processo de diagnóstico.

Atualmente, com a integração dos sistemas, é possível solicitar e verificar a autorização da operadora, a disponibilidade de horário das clínicas credenciadas, solicitar que os exames sejam enviados por e-mail e quiçá já marcar o retorno do paciente para a discussão das próximas etapas.

Tudo isso é realizado em poucos minutos e, dependendo da complexidade do exame, já é possível fazê-lo no mesmo dia, encaminhá-lo ao médico e obter uma resposta rápida, eficiente e com comodidade.

Outro ponto relevante é que uma prescrição assinada digitalmente será encaminhada às farmácias credenciadas com todas as definições dos órgãos sanitários para viabilizar os medicamentos desejados.

11. Assinatura digital

A migração dos processos manuais para o meio eletrônico trouxe uma preocupação importante: como validar os documentos que necessitam de assinatura para embasar a tomada de decisão pelo profissional de saúde?

Considerando essa premissa, a regulamentação dos órgãos sanitários e as normativas dos conselhos de profissionais de saúde, surgiu a assinatura digital como forma de validar as orientações clínicas e medicamentosas realizadas.

Para tanto, é imprescindível que o profissional de saúde obtenha inicialmente o certificado digital, por meio da instalação de um software específico que vincula os elementos criptográficos, de forma a autorizar a assinatura no documento gerado.

A assinatura digital é rastreável na medida em que identifica os responsáveis, a data e o horário em que houve a validação. Ademais, disponibiliza um endereço eletrônico para acessos em casos específicos.

Portanto, trata-se de um documento validado pelo profissional de saúde, com orientações legíveis que poderão ser acessadas pelo paciente nas mais diversas plataformas digitais ou em alguns dispositivos.

Como vimos, a transformação digital na saúde é uma inovação que traz experiências diferenciadas ao paciente, na medida em que aumenta a precisão do diagnóstico, otimiza a assistência e ajuda na intervenção mais adequada de acordo com o perfil do indivíduo. Além disso, apresenta uma relação de custo favorável para os profissionais de saúde e os gestores quando plenamente implantada.

Gostou do conteúdo? Para ter acesso a outras publicações interessantes, siga nossas páginas no LinkedIn, Facebook e Instagram! 

Allana Peixoto|
16/12/2021

 A Maida.health, empresa de tecnologia e inovação do Sistema Hapvida, assumiu, no mês de novembro, o contrato para fornecimento do sistema de gestão de saúde para os servidores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMS) e seus dependentes. O sistema iHealth, solução utilizada, proporciona processos mais ágeis e seguros, terá o prazo de seis meses e conta com tecnologia de reconhecimento facial para proporcionar segurança e rapidez aos atendimentos. 

Além disso, as autorizações ambulatoriais serão automáticas, parametrizadas em sistema, conferindo mais agilidade aos pedidos de exames. "Ampliar o acesso à saúde por meio da ciência, da inovação e do conhecimento é o propósito da Maida.health, que oferece soluções inovadoras para a saúde. 

O objetivo da parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul é tornar mais prática e segura o acesso à saúde dos servidores", ressalta Ney Paranaguá, sócio da Maida.health.

Deildes Prado |
14/12/2021

 O Rol de Procedimentos e Evento em Saúde da ANS é composto
por uma série de procedimentos de diagnóstico, tratamento e acompanhamento de
doenças e eventos em saúde, que os planos de saúde devem cobrir para seus
beneficiários. Até este ano a sua atualização se dava a cada 2 anos, passando agora
a atualização se dar a cada semestre, nos meses de janeiro e julho 

Em abril de 2021 foram inseridas 69 novas coberturas, sendo
50 relativas a medicamentos para tratamento do câncer, de doenças
inflamatórias, crônicas e autoimunes e para tratamento de doenças que levam a
deformidades ósseas e 19 para terapias, exames e cirurgias que, somados aos
procedimentos já cobertos, totaliza 4.181 procedimentos de cobertura
obrigatória pelos planos de saúde. 

A introdução de procedimentos e medicamentos no Rol de
Procedimentos e Evento em Saúde leva a impactos nos custos, tendo em vista que
haverá mais eventos de cobertura obrigatória, pelos planos de saúde registrados
na Agência Nacional de Saúde (ANS). 

À incorporação dos novos procedimentos se associa um impacto
sobre os custos da prestação da assistência, que é compartilhado por todos,
tendo em vista que todos os clientes do plano contribuem com esse custo, por
meio do valor das mensalidades. 

O impacto nos custos, segundo a ANS, vai de R$1,52 bilhão a
R$2,41 bilhões, que equivale a 1,5% da despesa assistencial. Já a FenaSaúde
estima que o custo pode chegar a R$5 bilhões.  

Entre em contato

Se você quer saber mais sobre as soluções para o seu negócio, é só preencher o formulário abaixo e nós entraremos em contato